ELEIÇÕES
Informações para que você e toda comunidade LGBT votem de forma consciente

Por apoiar LGBT, Alckmin será atacado por Malafaia nas eleições

Pastor avisou que usará redes sociais e que Marina Silva também 'apanhará'

Publicado em 18/03/2018
Silas Malafaia e Geraldo Alckmin: movimento gay
Geraldo Alckmin e Silas Malafaia

Se o pastor Silas Malafaia enviasse vídeo para a campanha da Rede Globo chamada "O Brasil que eu quero", possivelmente ele não falaria de fim da corrupção, mais saúde ou educação de qualidade. A obsessão do religioso com a sexualidade alheia é que daria o tom. 

Curta o Guia Gay Brasilia no Facebook 

É o que se depreende ao ler as razões de Malafaia escolher e e recusar apoios para a eleição presidencial em 2018. 

Em entrevista ao jornal O Globo, publicada no domingo 18, o pastor sinalizou em quem vai "bater" durante a campanha por meio de suas redes sociais.

"Vou continuar jogando pesado nas redes sociais. O (Geraldo) Alckmin 'deu mole' para a gente ao fazer sinalizações para o movimento gay", disse.

E continuou: "A Marina (Silva) também vai 'apanhar' muito de mim. Em 2010, já tinha deixado de apoiá-la quando ela disse que faria um plebiscito sobre aborto, caso eleita".

Segundo a reportagem, Malafaia já acusou candidatos do Psol de defender a "erotização de crianças" e "envolvimento com os black bock" e ajudou a descontruir candidaturas de esquerda em Cuiabá, Belém, Nova Friburgo (RJ) e Sorocaba (SP).

Apoiador de Jair Bolsonaro (PSL) à presidência, o pastor diz que Bolsonaro "é o único que defende diretamente a ideologia da direita. Ele encarna os valores mais caros ao nosso povo na questão dos costumes. Pode anotar, 80% do voto evangélico irá para Bolsonaro nestas eleições".

O ataque ao presidenciável do PSDB fazendo alusão justamentea a este tema já começou pelas mãos da família Bolsonaro. Na semana passada, Alckmin moveu processo contra o Facebook para retirar vídeo postado pelo vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ).

Nas imagens, de dezembro passado, Alckmin celebra a criação do secretariado de diversidade tucana, segmento do PSDB voltado a discussão de políticas para LGBT.

Segundo os advogados do tucano, o o objetivo do vídeo feito por Carlos Bolsonaro era "denegrir, ofender e ridicularizar o governador Alckmin. Por isso pedimos a exclusão do vídeo".


© Todos direitos reservados à Guiya Editora. Vedada a reprodução e/ou publicação parcial ou integral do conteúdo de qualquer área do site sem autorização.