Damares quer emprego para trans e proteger LGBT da violência

Ao mesmo tempo, futura ministra dos DH é inicialmente contrária a uso de banheiro por trans de acordo com o gênero

Publicado em 07/12/2018
damares bolsonaro lgbt direitos humanos
Damares com Bolsonaro: "O governo tem compromisso contra a violência, inclusive contra LGBT", afirma ela

Até a quarta-feira 5 vista pelo movimento LGBT como assessora da bancada evangélica e opositora à criminalização da discriminação contra o segmento, a advogada Damares Alves encerrou a quinta-feira 6 com falas que atendem as principais bandeiras das entidades ativistas.

Curta o Guia Gay Brasilia no Facebook

E não foi um um dia qualquer: foi a data de seu anúncio como futura ministra da Mulhere, Família e Direitos Humanos no governo Jair Bolsonaro (PSL).

Mais
>>> Nova ministra de Direitos Humanos crê em combate à homofobia sem escolas

Em coletiva de imprensa, logo após a confirmação de seu nome para o cargo, Damares admitiu que a temática LGBT é delicada para ela por conta de sua religião, mas fez declarações alinhadas com o que defende o movimento arco-íris.

"Se precisar, estarei nas ruas com as travestis. Se precisar, estarei na porta das escolas com LGBT que sofrem discriminação. Esse governo tem compromisso contra a violência contra quem quer que seja, inclusive contra LGBT."

Em reportagem em O Globo, Damares foi além: defendeu a inclusão de trans no mercado de trabalho e o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

"É essencial ter um diálogo com a travesti que está na rua, que está se prostituindo. Será que está lá por opção, ou porque não ingressam no mercado de trabalho? Será que não está na hora de a gente começar a ver esse ser, que foi por tantos anos discriminado, e se perguntar: por que, para o (sic) travesti, sobra só a prostituição?"

A respeito do matrimônio, ela tratou o assunto como superado. "Isso é uma questão que já está praticamente definida no Brasil. É uma conquista deles. Direitos conquistados não se discute mais. Então, pra mim, é uma questão vencida."

Ao mesmo tempo, ela se coloca inicialmente contra importante demanda de pessoas trans.

"Minha preocupação é com a menina, não entendo que seja oportuno que uma menina de cinco anos sente em um vaso que um travesti sentar antes, essa pessoa faz xixi em pé. Não podemos discriminar, e entendo que nos banheiros masculinos acontecem brincadeiras e agressões contra trans. Essa questão é delicada, não sei dizer como pode ser resolvida", disse ao Uol.

Para o presidente da Aliança Nacional LGBTI+, Toni Reis, que conhece Damares por conta da atuação dele no Congresso Nacional em defesa da cidadania do segmento, a posição é de diálogo, mas há estratégia caso a composição não seja possível.

"Vamos conversar. A respeito do bullying contra LGBTI, por exemplo, é fato e temos pesquisas. De toda forma, caso não se chegue a um ponto ideal, teremos Ministério Público, a Justiça. Retrocessos é que não vamos admitir", disse Reis à nossa reportagem.


© Todos direitos reservados à Guiya Editora. Vedada a reprodução e/ou publicação parcial ou integral do conteúdo de qualquer área do site sem autorização.